Mapa do Site     
Sábado, 19 de janeiro de 2019.

CPF:
   
Senha:
   

Não possuo senha
Esqueci minha senha



Você já leu o Regulamento do seu Plano de Benefícios?

Sim
Não



Resultado Parcial

Webmail Glossário PROCNET Guia do Participante Estatuto do Idoso Links




 

Comunicação Institucional
Publicada em 11/04/2012 11:56:36
  

Saber esperar

Por Marcelo Guterman


Se pudéssemos resumir todas as lições de finanças em uma só, certamente a regra de ouro, aquela que podemos considerar a mãe de todas as regras, seria esta: saber esperar.

Saber esperar é uma virtude que se adquire com a maturidade. Ou melhor, o saber esperar é uma medida da maturidade. Uma pessoa que não sabe esperar é imatura, por mais anos que leve nas costas. E, ao contrário, um jovem que aprendeu a esperar mostra uma maturidade admirável.

São já clássicos os experimentos com crianças, em que se propõe a escolha entre comer um doce imediatamente, ou esperar 15 minutos e então poder comer dois doces. As crianças que sabem esperar não só tem uma recompensa por isso (comer um doce a mais), mas mostram-se mais aptas para o aprendizado.

O crédito foi inventado para aqueles que não sabem ou não podem esperar. Há um desejo de consumo que precisa (precisa?) ser satisfeito hoje, e o crédito é a ponte que liga o amanhã ao agora. Como que por mágica, não é necessário mais esperar para obter o que se quer ou o que se precisa.

Obviamente não sou contra o crédito. Há situações em que fazer dívidas chega a ser indispensável. A compra de um imóvel é um exemplo clássico. Muitas vezes, o imóvel custa muitos anos da poupança de uma família. E simplesmente não dá para morar na casa da sogra até juntar todo o dinheiro necessário. Portanto, o financiamento imobiliário é a única saída.

Outro exemplo em que o crédito é necessário: gastos inesperados. Um acidente, uma doença, o desemprego. São situações em que a dívida pode ser a única saída.

Mas em um país como o Brasil, em que as taxas de juros ainda são pornográficas, é preciso tomar muito cuidado com as dívidas, mesmo nos dois casos acima.

Saber esperar, nesses casos, é abrir mão de todo o consumo supérfluo, e até mesmo do necessário, para sair da dívida o mais rapidamente possível. Ou seja, se não é possível esperar para comprar o apartamento, ou se a vida nos prega uma peça, é preciso mudar o estilo de vida, e colocar outros itens de consumo na fila de espera.

E o que dizer, então, daquele consumo que poderia, de fato, esperar? Endividar-se para comprar algo que não é necessário naquele momento talvez seja o melhor exemplo de imaturidade financeira. A criança mimada não sabe esperar. O adulto mimado também.

Este fenômeno acontece também com os países. Estamos todos acompanhando a tragédia grega. A Grécia aproveitou a taxa de juros baixa proporcionada pela sua adesão à Zona do Euro, e fez dívidas como se não houvesse amanhã.

Note, portanto, que, mesmo com taxas de juros muito baixas, é possível quebrar. Ou seja, mesmo depois das taxas de juros no Brasil atingirem níveis mais civilizados, endividar-se pode levar o indivíduo à bancarrota.

Voltemos à Grécia. A Grécia não salvou bancos. A Grécia não teve bolha imobiliária. O problema da Grécia é exclusivamente de um povo que teve o incentivo de consumir tudo e já, tarefa muito facilitada pelo crédito fácil e farto.

A dívida grega é resultado do financiamento de uma máquina de consumo insustentável:  

- o salário médio do setor público é quase três vezes maior que salário médio do setor privado;

- a companhia nacional de estradas de ferro tem receitas anuais de 100 milhões de euros, contra salários da ordem de 400 milhões de euros, mais 300 milhões em outras despesas;

 - o sistema de ensino básico grego (um dos piores da Europa) emprega 4 vezes mais professores por aluno do que o finlandês, que é o melhor da Europa;

- a idade de aposentadoria para profissões consideradas "árduas" é de 55 anos para homens e 50 anos para mulheres.  Mais de 600 profissões na Grécia são consideradas "árduas": cabeleireiros, locutores de rádio, garçons, músicos, são alguns exemplos.

Enfim, a Grécia é o exemplo acabado de um país que não soube viver dentro de suas possibilidades. Em outras palavras, um país que não soube esperar.

 

Fonte:Blog do Dr. Money


 

Voltar      

 

Fundação Rede Ferroviária de Seguridade Social - REFER
Rua da Quitanda, 173 - Centro - 20091-005 - Rio de Janeiro - RJ.
Central de Relacionamento com o Participante: 0800 709 6362
Todos os direitos reservados.